MAIS ARTIGOS

 

Desmistificando a regra dos 5 segundos

 

 Eduardo Fonseca*

 

 

 

A recomendação para não ingerir alimentos contaminados não é novidade para ninguém, portanto seria plausível imaginar que a maioria das pessoas não tivesse o hábito de comer pedaços de alimentos que, por ventura, tenham caído no chão, certo? Surpreendentemente, isso é comum para muitas pessoas que se baseiam na popular “Regra dos 5 segundos”.

 Essa regra defende que um indivíduo pode comer um alimento que tenha caído no chão, sem nenhum receio, caso consiga pegar este alimento rapidamente, em até 5 segundos! Com o intuito de investigar cientificamente esse conhecimento popular, algumas pesquisas foram desenvolvidas.

  Uma delas avaliou a taxa de contaminação cruzada (transferência de micro-organismos que podem causar doenças de um material contaminado para outro não contaminado) da bactéria Enterobacter aerogenes em diferentes cenários que representam a rotina doméstica. Para isso, os pesquisadores utilizaram diferentes tipos de alimentos e de superfícies de contato, como carpete, madeira, aço inoxidável e azulejo.

Essas superfícies foram previamente contaminadas com a bactéria Enterobacter aerogenes. Após 5 horas, pedaços com tamanhos iguais de alimentos como melancia, doces e pão com e sem manteiga foram jogados de uma altura padrão nessas superfícies e retirados nos tempos de  menos de 1s, 5, 30, e 300 segundos.

 Os resultados mostraram que a contaminação é diretamente proporcional ao tempo de contato do alimento com a superfície contaminada, assim, de fato, quanto menor for o tempo para retirar o alimento do chão, menor será a quantidade de micro-organismos que o contaminariam. Verificou-se também que o tipo de alimento e o tipo de superfície de contato influenciam significativamente na taxa de contaminação, sugerindo que a famosa regra depende de muitas variáveis, indo contra a sua essência ampla e generalista baseada somente no quão rápido a pessoa pega o alimento do chão e o ingere.

 Com base nos dados, os pesquisadores desmistificaram a famosa regra, demonstrando que por menor que seja o tempo de contato do alimento com a superfície, sempre ocorrerá a contaminação, ou seja, mesmo com menos de cinco segundos, ainda existirá o risco do alimento ter sido contaminado, tornando-se impróprio para o consumo. Portanto, não confie nessa regra. Fica a dica!

 

 

Texto revisado e editado por Lais Feitosa Machado

 

*Eduardo Fonseca é mestre em Biotecnologia Vegetal e doutorando em Microbiologia pelo Instituto de Microbiologia Paulo de Góes - Universidade federal do Rio de Janeiro.

 

Referência: Longer Contact Times Increase Cross-Contamination of Enterobacter  aerogenes from Surfaces to Food Appl. Environ. Microbiol. doi:10.1128/AEM.01838-16 Copyright © 2016, American Society for Microbiology. Robyn C. Miranda; Donald W. Schaffner Rutgers, The State University of New Jersey.

 

Feito por Thais S. Barbosa (ECO - UFRJ) para o CurtaMicro 2017